domingo, 26 de fevereiro de 2012

O Caminho


Pelas ruas apertadas do caminho até você,
Há sempre uma luz no fim do túnel e a descoberta
De um poste ou da imagem da lua reluzente num céu
Estrelado. Se um anjo acompanhasse uma estrela cadente
E tivesse a responsabilidade de levar-me em seu retorno,
Restaria um pedido ou talvez um acordo. A esperança
Perdeu-se no horizonte de possibilidades em que se transformou
A vida humana, mas eu ainda a tenho e ela carrega coisas
Tão simples: o seu sorriso depois de um beijo. Um abraço silencioso
Quando nenhuma palavra faz sentido. O olhar terno de cumplicidade 
E o segredo de que guardamos um sentimento imenso dentro de nós, 
Esperando apenas que o medo cesse.

4 comentários:

  1. O medo é
    um mal conselheiro!

    Belo poema.

    ResponderExcluir
  2. Olá Teo

    Lindos versos. Saudades de vc.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Do tamanho das minhas e estas são imensas. Quando aparece? Beijo.

      Excluir
  3. muito lindo !! digno de um poeta

    ResponderExcluir