sexta-feira, 22 de maio de 2009

MEAS (Movimento Estudantil do Alto Sertão): Dois Meses de Ocupação


Lá se vão dois meses de uma esperança que insiste em não cessar, de uma esperança que não encontra obstáculos que a mantenha limitada. Todavia, esta não é apenas uma luta travada em prol de ganhos de cunho Material. Não. Trata-se da morte ideológica de muitos dos que participam desta resistência, pois cremos intensamente por toda a nossa vida estudantil, na existência da luta entre classes, e sabemos que mesmo que tentem disfarçar em discursos de igualdade ela acontece e só não percebe quem não reflete sua própria realidade, e tenta absorver realidades alheias na tentativa frustrada de fugir à sua.
Foi deste conflito de classes que nasceu no ABC paulista no início da década de 80 o PT (Partido dos Trabalhadores). Ele que surgiu exatamente dos conflitos entre capitalistas e explorados pelo capitalismo. Agora insiste em agir como um típico partido de direita, fechado aos interesses dos grandes opressores que povoam a história da humanidade, em governos que beneficiam apenas uma pequena minoria privilegiada. Dirão que este é um discurso marxista e obsoleto, mas desde quando a busca por uma emancipação humana está fora de moda? Creio que perdemos algumas referências e isso de certa forma nos enfraqueceu, mas não deveria prejudicar nosso espírito. Quando rompemos com o carlismo no governo da Bahia tínhamos certeza de que não seria fácil consertar tudo, mas restava a convicção de que uma das principais bases democráticas seria respeitada: o dialogo.
Acreditávamos que tendo o governo federal ao nosso lado as coisas aconteceriam de forma mais tranquila. Triste engano. O governo da Bahia realiza concurso público para a policia militar e não para professores, por que acredita que “bater” é mais fácil que educar. Que o povo tem que apoiar o governo pelo medo e não pela consciência, que democracia é: “sim senhor” e não questionamentos, que a busca por explicação é incitação a desordem e tudo isso gerado por aquela anterior falta de dialogo. É crime brigar por uma educação de qualidade? Se for prendam-me e condenem-me a prisão perpétua. Por que eu prefiro viver recluso a ter que acreditar que a educação perdeu o sentido na construção do ser humano.
No dia 16 de maio de 2009 completamos dois meses de ocupação da UNEB nos campus VI (Caetité), XII (Guanambi) e XVII (Bom Jesus da Lapa). Resistimos! Resistimos ancorados naqueles que assim como eu acreditam que não basta passar pela universidade e sair com um canudo embaixo do braço, é preciso refletir e acima de tudo viver aquele espaço. Não basta adentrar o mercado de trabalho e realizar o que todos os outros já fizeram antes, temos que extrapolar os nosso limites, e isso só acontecerá quando tivermos o suporte que só a educação de qualidade nos oferece.
O MEAS não é unanimidade, e provavelmente não existiria se fosse, pode não contar com a maioria por que historicamente estão ocupados demais com seus problemas particulares para se preocuparem com o coletivo. Porém conta com um grupo que apesar de reduzido está consciente de seu papel na sociedade, e eu pessoalmente acredito que um homem consciente e politizado vale mais que uma massa alienada. Por isso eu convido a todos que reflitam sua realidade, pensem no que acham que não está certo e o que pode ser feito para mudar, por que podemos não mudar o mundo, mas mudaremos nossas vidas.

* Depois de 67 dias de ocupação fica ainda mais clara a idéia de que só a educação diferencia os homens dos outros animais, mas uma educação com responsabilidade social. E como sei que não se fazem revoluções sem livros, ofereço-lhes a imagem da minha pequena biblioteca como inspiração.
*Créditos da foto Teobaldo Marinho de Souza Neto

6 comentários:

  1. Fiquei sem palavras quando li o texto e vi a foto. Este movimento me faz lembrar das lutas e greves sem resultados que travamos com o governo carlista. Parabéns pela perseverança e coragem!!
    Continuemos na luta!!!

    ResponderExcluir
  2. Lindas palavras teooo...E é isso mesmo..não basta passar pela universidade e sair com dela apenas com um canudo..é preciso bem...e acho q o que eu mais esperava aconteceu nesses dias de MEAS...mudança humana e crescimento pessoal...isso as mas linguas não vao apagar nuncaaa!!

    ResponderExcluir
  3. Teo,
    Parabens pelas palavras, retrata muito bem o que penso dos governos petistas.E paraben mais ainda pela resistencia e pela luta.
    abs
    Nelsinho
    http://fotosnelsonjunior.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Teo...
    Parabéns por essa postagem.
    O interessante seria se as pessoas que estão criticando o MEAS, tivessem acesso a esse texto. Tenho certeza que iriam ter outra visão desse movimento e entender o objetivo dele nesse período de ocupação.
    Luana

    ResponderExcluir
  5. Teo,
    São palavas de indignação e que trazem consigo a angustia de muitos que perduram nesta caminhada.creio que a resitência fez de vocês o que ninguém realmente esperava: bravos, valentes e acima de tudo homens, homens de luta e cidadãos que tanto são mencionados em teóricos como Paulo Freire, Saviani e muitos que esperavam essa mudança na educação. Vocês são o resultado de uma educação de qualidade e não apenas meros reprodutores desta sociedade de massa.
    Um abraço e saudades.

    ResponderExcluir
  6. Vinícius Luduvice30 de maio de 2009 22:41

    Boas noites...Camarada
    Verdadeiramente o prazer é mutuamente nosso!
    Não quero apenas parabenizalo, mas sim festeja as suas sabias palavras, e dizer não continui sendo quem és, mude senpre e aprendera muito mais e sendo assim ensinara muito mais...
    Devemos lutar coletivamente por uma unidade na luta, luta que nos torna a cada dia mais verdadeiramente humanos. Lutar sempre pro uma educação pública, gratuita, laica, de qualidade e socialmente referenciada com sentidos e significados humanos.
    Saudações com todo meu Amor Revolucionário

    ResponderExcluir